top of page

A DUCONDA 1000

Texto e fotos: Fran Aguilar Cano



Na página do Facebook da Simplemente Motos fizemos muitas referências ao campeonato "Battle Of Twins" (BOTT), categoria que estava incluída no campeonato nacional americano AMA que teve o seu apogeu nos anos 80 e 90.


Esta categoria tinha a sua prova mais relevante em Daytona, corrida que se tornou famosa ao longo do tempo por ter sido naquela prova onde se iniciou a saga DUCATI em SBK com o triunfo do primeiro protótipo da DUCATI 851.


Este campeonato era dividido em duas categorias, "Pro Twins GP" com preparação livre, onde competiam autênticos protótipos de corrida, e "Modifield" baseado em motos de produção com uma preparação muito mais contida e muito popular entre os pilotos amadores, regra comum para ambas as categorias, qualquer tipo de motor era válido desde que fosse bicilíndrico.


A nossa protagonista de hoje, a DUCONDA estreou no "Pro Twins GP" em Daytona em 1988, os seus construtores, os irmãos Erion, do Racing Team Erion, viriam a ser a equipe oficial da HONDA na AMA conhecida como Team HONDA Erion Road Racing, onde vários notáveis, como por exemplo Nicky Hayden ou Kurtis Roberts, correram.


Os Erion colocaram no grelha de partida uma DUCATI F1 750cc com alterações bastante originais:

- trocaram as cabeças de cilindro(s) originais por outras com proveniência HONDA RVFC (numa versão posterior, também trocaram os cilindros);

- pistões forjados de origem HRC foram também montados assim como mais algumas peças de motor da mesma origem.


Tudo isto graças aos conhecimentos que tinham com o pessoal que, nessa altura, controlava a HONDA Racing nos EUA, por esta razão, surgiram rumores que indicavam que a HONDA "patrocinou" este experiência para acumular conhecimento no caso de entender necessário criar uma geração de motores, 2 cilindros, anti-DUCATI.


A cilindrada da moto cresceu para 1.038cc e o quadro foi modificado para acomodar as cabeças da HONDA, mais largos que os originais da DUCATI.


No sistema de alimentação, os carburadores originais foram substituídos por um sistema de injeção BOSCH com dois injetores por cilindro, a cambota foi alterada para uma peça única e também foram montadas bielas e válvulas de titânio, dizia-se que o motor atingia 135 cv medidos na cambota.


Nos treinos, a DUCONDA atingiu velocidade máxima superior a 275 km/h, mas partiu uma biela e a cambota e, por essa razão, não alinhou na corrida.


Posteriormente tentaram regressar em várias ocasiões, mas diversos problemas de injeção e, principalmente, bielas partidas sempre a deixaram fora da corrida, todos esses problemas sem dúvida devido à juventude do projeto e ao fato de a HONDA não querer envolver-se oficialmente.


Finalmente o projeto foi arquivado e nunca mais se ouviu falar da moto, provavelmente foi mantida pela HONDA, embora pareça que em 2003 ela apareceu à venda no Ebay, e os irmãos Erion até hoje continuam a ser a equipe HONDA de maior sucesso nas competições de velocidade ob a égide da AMA.




PUB


Comentários


bottom of page