• Grupo
  • Página

© 2016-2019 por "MOTOSPOT NEWS"

Joey Dunlop: "Nunca quis ser uma super estrela, só quis ser eu mesmo, espero que se lembrem de mim desta forma"

November 19, 2016

 

 

 

Joey Dunlop (William Joseph Dunlop), 1952-2000, nasceu na Irlanda do Norte (Reino Unido) e é um ícone do motociclismo Mundial. A sua carreira alcançou um enorme destaque na área das provas de velocidade em estrada, neste tipo de competição liderou e consolidou uma tradição muito popular entre os seus conterrâneos.

 

Numa votação, promovida pela revista MOTORCYCLE NEWS em 2016, foi eleito o segundo maior ícone de sempre do motociclismo (o primeiro, nesta ocasião, foi Valentino Rossi).

 

De origens muito humildes (ele dizia que a sua familia não era a mais pobre da Irlanda do Norte, mas não estava longe dessa posição), eram sete irmãos na altura do pós-guerra e o seu pai era mecânico.

 

 

O INICIO

 

Iniciou a sua carreira desportiva em 1968. Na altura para obter licença desportiva era necessário ter licença de condução, Joey não tinha..., serviu-se do nº de licença de uma das suas irmãs!...

 

A sua primeira participação foi com uma ITOM 50cc emprestada, serviu para viver o ambiente, no entanto a moto não funcionava.

 

Em 1969, correu nas três provas que se disputaram na Irlanda do Norte aos comandos de uma TRIUMPH Tiger Cub 200cc. A moto foi adquirida por 50 Libras, emprestadas, e não lhe permitiu resultados de relevo.    

 

Em 1970, devido a um ferimento na cabeça em resultado de um acidente de automóvel, as suas participações foram irregulares.

 

Em 1971, a TRIUMPH foi substituída por uma SUZUKI Invader (200cc, 2T, 2 cilindros refrigerada por ar), ainda que continuasse a ser uma moto pouco competitiva e alterada a partir de uma moto de estrada, era, apesar disso, bastante menos má que a anterior. Nesse ano, Joey terminou em quarto lugar em Kirkistown e em segundo (o primeiro pódio de muitos durante a sua vida) em Tandragee.

 

Em 1972 (Joey casou com Linda nesse ano) e 1973, Joey batalhou, apresentando resultados pouco entusiasmantes fruto de uma enorme falta de meios. Ainda assim, o seu carácter persistente e lutador começou a atrair as atenções da comunidade das corridas de moto em que estava inserido. Terminou em 19º em Ulster a lutar contra pilotos de topo (Mick Grant, John Williams, etc..) muito bem equipados. 

 

Em 1974 nasceu Julie (a primeira de cinco filhos, 3 raparigas e dois rapazes), juntamente com Merv Robinson, competia com uma AERMACCHI. Conseguiu alguns resultados de relevo e participou pela primeira vez na Ilha de Man num evento de Club tendo conseguido um 2º e um 3º lugares. O meio de transporte que contratou (equipa e as motos) para a Ilha de Man foi um barco de pesca, anos mais tarde, em 1985, o barco de pesca em que, como sempre,  fez a viagem naufragou, todo o pessoal a bordo saiu ileso, mas as motos tiveram que ser recuperadas por mergulhadores, felizmente as dele - na altura HONDA de fábrica tinham ido num ferry... -.

 

Foi nesta altura que começou a competir com as YAMAHA 350cc (2T, 2 cilindros, refrigeradas por ar) e que os bons resultados começaram a aparecer. Foi, também, nesta fase que Joey e Merv (igualmente com bons resultados) começaram a ser acarinhados pelos norte-irlandeses (que nas motos sempre exibiram uma espécie de tribalismo semelhante ao que noutros locais o futebol desperta) e, também por essa razão, começaram a ter mais atenção por parte de eventuais patrocinadores.

 

1975 e 1976 os bons resultados surgiram de forma constante, os irmãos Rea (através da sua empresa, a Rea Distribution) envolveram-se enquanto patrocinadores e a artilharia ressentiu-se, positivamente, em várias ocasiões Joey chegou a participar em 3 corridas (250cc, 350cc e 500cc - na verdade a 500cc era uma 351cc..) em YAMAHAs TZ com quadro SEELEY. Foi nesta altura que Joey começou a ser considerado pelos ingleses como um adversário a ter em conta.   

  

THE ARMOY ARMADA, 1977-1979

 

Diz-se que as corridas de motos de estrada, tal como o estrume de vaca, estão no ADN da Irlanda do Norte.

 

 

Armoy é uma pequena aldeia (414 habitantes no censo de 2001), perto de onde Joey e outras lendas do motociclismo eram naturais, viviam e socializavam. 

 

No período de 1977 a 1979, com um entusiasmo colectivo nasceu "The Armoy Armada uma equipa de que faziam parte:

 

  - Joey Dunlop; 

  - Frank Kennedy, um grande entusiasta - chegou a andar de moto, como pendura, com as duas pernas partidas -, ganhava dinheiro num stand de automóveis que possuía para o gastar nas corridas de motos. O seu melhor resultado foi um 2º lugar na North West 200 em 1976. Viria a falecer num acidente na edição de 1979 da mesma prova;

  - Jim Dunlop, irmão mais novo de Joey e único sobrevivente, hoje, entre os membros da ARMADA. Participou na Ilha de Man regularmente entre 1977 e 1981. O seu filho Sam é um participante regular nas corridas em Armoy;

  - Mervyn Robinson "Robo" começou a correr em 1968, foi um piloto de muito bom nível, foi mentor, colega, adversário e frequentemente superou Joey. Era também um grande mecânico, fazia maravilhas com material velho. Triunfou pela primeira vez em Kirkistown (1974) e a sua performance mais significativa foi a vitória em Ulster (1975). Faleceu em 1980 num acidente na corrida de 500cc na Northwest 200. 

 

Em 1977 o melhor resultado de Joey foi a vitória na prova SCHWEPPES Jubilee Classic no TT da Ilha de Man, o segundo classificado foi George Fogarty (pai de Carl Fogarty). Nesta prova ganhou 1.000 Libras, de longe o maior prémio em dinheiro que até aí recebeu.

 

Em 1978 o seu resultado mais importante foi 5º lugar em TT2, numa BENELLI 550, na Ilha de Man.

 

Em 1979 as duas (International Match e NE200) vitórias na North West 200 a que se juntaram mais duas (500cc e Superbike) vitórias no Ulster Grand Prix, foram os resultados mais significativos.  

 

1980 é um ano de transição, o seu ultimo ano antes da HONDA. Foi o vencedor na Ilha de Man na classe Classic aos comandos de uma YAMAHA TZ 750. Com uma SUZUKI de fábrica participou apenas numa (Ulster GP) das duas corridas que compunham o Campeonato do Mundo TT1, foi contratado para uma única corrida com a intenção de ajudar Graeme Crosby. No Ulster GP foi 2º, na mesma manifestação ganhou duas provas: 250cc e Superbike. No final ficou em terceiro no Mundial TT1 atrás de Mick Grant (HONDA) e do seu chefe de fila, na SUZUKI, Crosby.

 

HONDA

 

 

De 1981 até ao, prematuro, fim da sua carreira, Joey foi sempre piloto oficial HONDA. Foi nesta fase, apesar de tudo, grande (19 anos), que pôde revelar toda a sua categoria. Curiosamente, conseguiu que a HONDA lhe confiasse as motos, apesar da independência do seu caráter. 

 

Barry Symmons (director da equipa HONDA Britain) disse: "Ele era o último privado - nunca deixava saber o que estava a fazer, como estava a moto, nem nada. Ajudava toda a gente - excepto nas afinações, entendia que não devia dar a conhecer as mesmas, inclusive aos engenheiros da HONDA.". Aos comandos de motos desta marca, participou em várias classes, desde as 125cc até às TT1 e Superbike. Os seus resultados mais relevantes foram:

 

   1981 - 3º classificado no Campeonato Mundial TT1

   1982 - Campeão Mundial TT1

   1983 - Campeão Mundial TT1

   1984 - Campeão Mundial TT1

   1985 - Campeão Mundial TT1

   1986 - Campeão Mundial TT1

   1987 - Vice-Campeão Mundial TT1

   1988 - Vice-Campeão Mundial TT1

            - 13º classificado no Campeonato Mundial Superbike

  1989 - não participou devido aos ferimentos resultantes do acidente nas Euroatlantic Series em Brands Hatch

   1990 - Vice-Campeão da Cup FIM TT1

 

A partir de 1991 inclusive, deixou de existir qualquer espécie de troféu FIM para as motos Tourist Trophy. Joey continuou a participar com muito sucesso em várias provas de estrada por toda a Europa. No último TT da Ilha de Man (com 48 anos) em que participou alinhou em cinco corridas:

  

    - 1º classificado (HONDA VTR SP-1) - Formula 1 (TT1)

    - 1º classificado (HONDA RS 250) - 250cc

    - 1º classificado (HONDA RS 125) - 125 cc

    - 4º classificado (HONDA CBR 600) - Junior

    - 3º classificado (HONDA VTR SP-1) - Senior

 

ILHA DE MAN

 

 

As suas 26 vitórias em provas da Ilha de Man:

 

    - 1977 - Jubilee TT

    - 1980 - Classic TT

    - 1983 - Formula 1 TT

    - 1984 - Formula 1 TT

    - 1985 - Junior TT, Formula 1 TT e Senior TT

    - 1986 - Formula 1 TT

    - 1987 - Formula 1 TT e Senior TT

    - 1988 - Junior TT, Formula 1 TT e Senior TT

    - 1992 - Ultra Lightweight TT

    - 1993 - Ultra Lightweight TT

    - 1994 - Junior TT e Ultra Lightweight TT

    - 1995 - Lightweight TT e Senior TT

    - 1996 - Ultra Lightweight TT e Lightweight TT

    - 1997 - Lightweight TT

    - 1998 - Lightweight TT

    - 2000 - Ultra Lightweight TT, Lightweight TT e Formula 1 TT

 

  ULSTER GRAND PRIX  

 

 

Venceu 24 corridas do Ulster Grand Prix:

 

    - 1979 - 500cc - SUZUKI

               - Superbike 750 - YAMAHA

    - 1980 - 250cc - YAMAHA

               - Superbike 1000 - SUZUKI

    - 1983 - TT F1 - HONDA

    - 1984 - 250cc - HONDA

               - 500cc - HONDA

               - TT F1 - HONDA

    - 1985 - 250cc - HONDA

               - 500cc - HONDA

               - TT F1 750 - HONDA

    - 1986 - Classic Race 500cc - HONDA

    - 1988 - 250cc - HONDA

    - 1990 - TT F1 750 - HONDA

    - 1991 - Superbike Race1 750 - HONDA

               - Superbike Race2 750 - HONDA

    - 1992 - 125cc - HONDA

    - 1994 - 125cc - HONDA

               - Superbike Race1 750 - HONDA

    - 1995 - 250cc Race1 - HONDA

               - 250cc Race2 - HONDA

               - Superbike Race1 750 - HONDA

    - 1997 - 250cc Race2 - HONDA

    - 1999 - Superbike Race2 750 - HONDA

 

  NORTH WEST 200

 

 

Venceu 13 corridas na North West 200:

 

    - 1979 - International Match Race 750 - YAMAHA

               - NW200 Race 750 - YAMAHA

    - 1981 - NW200 Race 1100 - HONDA

    - 1983 - 500 Race - HONDA

               - NW200 Race 1000 - HONDA 

    - 1984 - MCN Master Race 750 - HONDA

    - 1985 - 250 Race 1 - HONDA

               - NW200 Race 750 - HONDA

    - 1986 - NW200 Race 750 - HONDA

    - 1987 - Superbike Race 750 - HONDA

               - NW200 Race 750 - HONDA

               - Production Race 750 - HONDA

    - 1988 - Production Race 750 - HONDA

 

MACAU

 

Joey correu em duas ocasiões no GP de Macau, em 1982 foi terceiro e em 1983 foi segundo, em ambos os anos o vencedor foi Ron Haslam.

 

VILA REAL

 

Em Vila Real, Joey Dunlop atingiu rapidamente a estatura de estrela. Participou em 6 das 7 corridas internacionais de TT1 (ou Formula 1) que aí se disputaram. Não participou em 1989 devido a estar em recuperação dos ferimentos resultantes do acidente nas Euroatlantic Series em Brands Hatch. Os seus resultados na capital transmontana foram:

 

  - 1982 - 2º classificado (1º - Wayne Gardner)

  - 1984 - 2º classificado (1º - Roger Marshall)

  - 1985 - 1º classificado

  - 1986 - 1º classificado

  - 1988 - 4º classificado (1º - Steve Williams, 2º - Manuel João, 3º - Dave Leach)

  - 1990 - 3º classificado (1º - Carl Fogarty, 2º - Robert Dunlop)

  

JOEY DUNLOP E O CINEMA

 

A vida de Joey Dunlop deu origem a duas interessantes realizações cinematográficas.

 

Em 2013 foi realizado um filme/documentário sobre a sua carreira: JOEY - THE MAN WHO CONQUERED THE TT

 

 

Em 2014 foi realizado um outro filme/documentário sobre a segunda geração Dunlop: ROAD

 

 

O HUMANISMO E AS DISTINÇÕES

 

Durante a sua vida, Joey dedicou-se em diversas ocasiões a actos de caridade desinteressados. Ofereceu comida e roupa para orfanatos romenos, ajudou na colecta de fundos para a luto contra o cancro, etc..

Pelos seus feitos desportivos e também pela sua grande actividade caritativa recebeu das mãos da Rainha de Inglaterra duas distinções:

  - OBE - Order of the British Empire

  - MBE - Excellent Order of the British Empire

Em Ballymoney, sua terra natal, e na Ilha de Man ergueram estátuas em sua memória.

 

 

A MORTE

 

 

Joey encontrou a morte no dia 2 de Julho de 2000 enquanto disputava uma corrida de 125cc num obscuro circuito de estrada na Estónia.

 

Na mesma manifestação, já tinha nesse mesmo dia disputado as corridas de 750cc e 600cc.

 

Depois da sua morte a popularidade dos circuitos de estrada, apesar do perigo real que apresentam, não tem parado de crescer e uma das razões é sem dúvida a poesia da sua vida. 

 

 

 

  

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

diminuido logo 02.png